terça-feira, 19 de julho de 2016

Savarin de anis com frutos de Verão # Star anise savarin with stone fruits




São agora já muitos os anos em que por breves temporadas vou até Caminha, Vilar de Mouros e Vila Nova de Cerveira. O meu Norte faz-se também destes sítios, tão ricos em história e lendas, com a abundância à flor da pele, de verde, de perfumes de ervas e flores silvestres, de bons vinhos e de boa comida minhota. Foi por lá que estivemos na semana passada.

Em Fevereiro do ano passado, em pleno Inverno fizemos o caminho da costa para Santiago. Na manhã seguinte à nossa chegada a Caminha combinamos com o pescador que faz as travessias de barco para Espanha e lá fomos nós, foz do Minho adentro, o dia ainda a clarear, com roupa quente até às orelhas e salpicos de água gelada como picadelas certeiras, nas nossas caras ainda estremunhadas. Ao pisar areias de Espanha começamos mais um dia de caminhada que desta vez nos ia levar por A Guarda e algumas das praias mais bonitas que já vi. E foi por isso que a incluímos no nosso roteiro, nesta escapadela de Verão. Tenho pena de não ter fotos "oficiais" dessas praias mas o calor era tanto que entre carregar quilos de equipamento fotográfico e digerir outro tanto (ou quase) de ameijoas, mexilhões e lagostins, fiquei-me pelos últimos. Escolha sábia, certo? Eu sabia que concordavam comigo :)  Quem sabe para a próxima...

Entretanto Cerveira acolheu-nos de coração aberto e engalanada com cores entrelaçadas por mãos cheias de arte! Tão bonito ver a Vila coberta de crochet em cada recanto. Árvores, bancos, floreiras, fachadas e claro cervos, vários cervos "vestidos" a rigor, a lembrarem que o nome dado à vila poderá ter surgido graças a uma grande colónia de cervos que terá existido por aqueles montes.

Mas agora já estou de volta. E com uns quantos savarin,  macios, húmidos e delicados, bem regados com xarope de anis e coroados com natas frescas e frutos de Verão. Um doce que por ser tão bonito merece uma ocasião especial mas claro, nisto da comida o que vale mesmo é fazer o gosto à vontade e havendo vontade todos os dias são bons para "savarinar" :)




In English
It´s been many years since I first started to spend brief seasons in Caminha, Vilar de Mouros and Vila Nova de Cerveira. My north is also made by these places, so rich in history and legends, with the bounty at the surface of the skin of green, perfumes of herbs and wild flowers, good wine and good  food from Minho.
It was there that we went last week.

In February, last year we walked the Portuguese coast way to Santiago. The morning after our arrival in Caminha we talked with the fisherman that makes the boat crossings to Spain and so we went, inside the mouth of the Minho river, the day still to clear, with warm clothes up to our ears and splashes of cold water as well aimed pricks in our, still not fully awaken, faces. Once we stepped spanish sands, another day of walking began, that this time would take us through A Guarda and some of the most beautiful beaches I´ve ever seen. And that´s why we included it in our little Summer escapade. I´m sorry not to have "official" photos of those beaches but the heat was so intense that between carrying quilos of photographic gear and digest as much as I could of clams, mussels and crayfish, I chose the last. Wise choice, right? I knew you would agree with me on this one :) Who knows, maybe next time...

In the meantime Cerveira welcomed us with open heart decked with colors intertwined by artfull hands. So beautiful to see the crochet covered village. Trees, benches, flower boxes, facades and of course deer, several deer, all "dressed up" remembering us that the name given to the village may have arisen due to the ancient existence of a large colony of deer in the surrounding hills.

But now I´m back. And with a few savarin. Soft, moist and delicate, well watered with anise syrup and crowned with freshly whipped cream and stone fruits. A sweet that for being so beautiful deserves a special occasion, but off course, in these things of the food what really matters is to please the craving and when the craving emerges, every day is a good day for some "savarinating" :)















Ingredientes: faz 12 bolinhos
250 g de farinha
100 g de manteiga sem sal
1 sachet de fermento de padeiro desidratado
100 ml  de leite meio gordo
4 ovos
30 g de açúcar
Pitada de sal

Para o xarope:
300 ml de água
100 g de açúcar
2 estrelas de anis

Para servir:
Natas batidas
Alperces e nectarinas


Preparação:
*Unte uma forma  de 6 donuts (ou duas, se o seu forno for convetor), ou 12 forminhas de savarin  com manteiga e reserve.
*Derreta a manteiga e deixe arrefecer totalmente.
*Coloque a farinha numa taça, faça um buraco no meio e junte o fermento, o sal, o leite e uma colher de chá de açúcar.
*Misture muito bem, tape com um pano e deixe levedar por 30 minutos.
*Junte os ovos batidos, a manteiga e o restante açúcar à mistura de farinha e ligue bem. Tape e deixe levedar mais 30 minutos. A massa vai ficar mole e pegajosa mas é mesmo assim.
*Tire o ar à massa sem a sovar muito e encha os espaços das formas quase até cima.
*Deixe levedar novamente por 30 minutos.
*Pré aqueça o forno a 190º, marca 5 do fogão a gás.
*Leve ao forno por 25 a 30 minutos.
*Para fazer o xarope leve os ingredientes ao lume num tachinho e deixe ferver por 7 minutos. Deixe arrefecer.
*Tire os savarin do forno, deixe arrefecer um pouco, desenforme e coloque-os em cima de uma rede colocada em cima de um tabuleiro de forno.
*Deixe os savarin arrefecerem totalmente e depois verta o xarope frio em cima de cada bolinho. Devem ficar bem embebidos mas sem se desfazerem.
*Sirva com natas batidas e com alperces e nectarinas.



Ingredients: makes 12 cakes
250 g cake flour
100 g unsalted butter
1 sachet of dry yeast
4 eggs, beaten
100 ml semi skimmed milk
30 g caster sugar
Pinch of salt

For the syrup:
300 ml water
100 g sugar
2 star anise

To serve:
Whipped cream
Stone fruits (apricots and nectarines)

Preparation:
*Butter 2 donut pans or 12 savarin moulds and set aside.
*Melt the butter and let it cool completely.
*Put the flour into a bowl and make a hole in the middle, add the yeast, 1 tsp of sugar, salt and the milk.
*Mix everything until you have a rough dough.
*Cover the bowl with a kitchen towel and let it rise for 30 minutes in a warm corner.
*Add the eggs, butter and remaining sugar and mix until you have a soft but sticky dough, cover with a kitchen towel and let it rise for 30 minutes more.
*Preheat the oven to 190º, 375f, gas mark 5.
*Pour the dough into the moulds almost to the top.
*Bake for 25 to 30 minutes, until golden.
*To make the syrup put all the ingredients inside a small saucepan and take to the heat, boil for 7 minutes and remove from the heat. Let it cool completely.
*Remove the cakes from the oven, let them cool a bit, unmold and put them on top of a wire rack, inside a baking tray.
*Once the savarin are cold, pour the syrup all over them. They must be moist but not falling apart.
*Serve with whipped cream and slices of apricots and nectarines.










Print Friendly and PDF

5 comentários:

Clara Brito disse...

Que bom aspecto. Adorava provar um pedacinho.

Beijinhos,
Clarinha
http://receitasetruquesdaclarinha.blogspot.pt/2016/07/carbonara-com-crocante-de-linguica.html

Renata Silva disse...

Eu que sou fã deste blog, que sou ainda mais fã do seu trabalho, enche-me de orgulho ao falar das minhas terras assim.
Vivo no Porto mas sou de Valença do Minho, nós, os de lá de cima, temos por hábito dizer que todas as terras que envolvem a vila onde moramos, são nossas. Por isso, Cerveira também é minha, ui e Caminha ... ó se Caminha também é minha :)

Sabemos receber bem, mas ainda sabemos receber melhor, quem traz o peito carregado de todo esse amor com que fala ...

Volte e traga o seu palato, há ainda muitos sabores e cheiros por descobrir.

Mónica Pinto disse...

Olá Renata,
Obrigada pelo seu comentário tão bonito e coração tão cheio de todas as coisas boas que essas terras nos dão sem pedir nada em troca.

Voltarei sempre!

Ruth Miranda disse...

Que lindas imagens! Nunca fiz um savarin na vida, mas sempre tive uma certa curiosidade desde que em miúdita me meteram nas mãos os livros da Brigitte e d'O Romance de Isabel para estar entretida e num deles falava do savarin. Não tendo nunca conseguido gostar dos livros, a ideia deste doce ficou-me sempre na mente e nos desejos.
https://bloglairdutemps.blogspot.pt/

Mónica Pinto disse...

Obrigada Ruth!
Também eu tinha muita curiosidade mas a imagem que guardei foi do filme a Festa de Babette e do jantar que ela prepara, a sobremesa era um savarin clássico, grande, regado com rum e servido com frutas cristalizadas.
Vale a pena experimentar, são uns bolinhos super macios e húmidos e com um sabor fantástico!

UA-16306440-1